Sasum

  • Home
  • /
  • Charmie está a ser testado no Bar dos SASUM

Charmie está a ser testado no Bar dos SASUM

Atualmente, o Charmie está a ser testado em ambiente real no bar dos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho (SASUM), no edifício de Engenharia I, no polo de Azurém, em Guimarães, onde, em meio não controlado, interage com pessoas por meio de microfone e colunas, ouve os pedidos e fala com o cliente, manipula os produtos e transporta os pedidos, coloca na mesa do cliente, apanha objetos do chão, reconhece objetos e sabe qual a fiabilidade de estar certo ou errado.

O Charmie é um robô antropomórfico colaborativo, assistente doméstico e de cuidados de saúde, capaz de realizar tarefas de serviço genéricas em ambientes de cuidados de saúde e domésticos não normalizados. O projeto foi criado em 2017, por um grupo de estudantes do Laboratório de Automação e Robótica da Universidade do Minho (UMinho).

?O Charmie tem um objetivo social e, ao mesmo tempo, competitivo?, referiu o coordenador do projeto, o Professor Fernando Ribeiro. A equipa criadora do Robô está a testá-lo para poder funcionar em ambiente social (ambiente doméstico, hospitalar, lar de idosos, museus, etc.), tendo como propósito também, levá-lo, em julho do próximo ano, à RoboCup@Home, o maior evento de robótica a nível mundial que desafia os robôs a realizarem tarefas complexas em ambientes do quotidiano, para a qual estão a trabalhar para se qualificarem. ?Aproveitamos a competição porque nos põe prazos, obriga-nos a trabalhar em ambientes reais, pois, em laboratório, ele faz aquilo que queremos, é um ambiente controlado?, disse.

Na sua primeira participação no RoboCup, competição mundial de robôs que tem como objetivo principal promover a investigação e desenvolvimento em Robótica e em Inteligência Artificial, que decorreu em Bordéus, em julho de 2023, o Charmie alcançou um incrível 7.º lugar e a equipa da UMinho foi a melhor equipa estreante. ?O objetivo para este ano, primeiro, é tratar da qualificação, há muitas equipas a concorrer para poucos lugares. Depois dessa qualificação, almejamos algo acima do 7.º lugar, conseguir ficar no top 3 era excelente?, afirmou o team leader do projeto e aluno de doutoramento, Tiago Ribeiro.

O projeto iniciado há seis anos teve, desde logo, como objetivo, ?criar um robô que fosse capaz de ajudar em ambientes domésticos, médicos, ajuda a pessoas com mobilidade reduzida que precisam de ajuda em tarefas do dia a dia?, começou por referir o team leader. ?Éramos 5 ou 6 alunos, fomos falar com dois professores que se mostraram interessados em começar com o projeto, de lá até então, foram 6 anos de muito trabalho. Começamos com uma base com rodas que se movimentava pela casa, agora já temos um dorso que permite que possa pegar em objetos do chão, já temos um braço robótico que permite fazer uma variedade de tarefas, temos um sistema de visão e desvio de obstáculos. O Robô faz um mapeamento dos ambientes e depois movimenta-se, sabe onde estão as coisas?, explica Tiago Ribeiro.

Neste momento, os testes que têm sido feitos no bar dos SASUM, demonstram que o Charmie sabe servir às mesas de um restaurante. Começa por dialogar com o barman (pessoa responsável por ele) que lhe explica como deve atuar. Depois, vai à mesa, recolhe o pedido, confirma o pedido com a pessoa, vai ao barman que lhe entrega o pedido, coloca as coisas no tabuleiro e vai à mesa entregar.

?É um Robô móvel autónomo e antropomórfico, reconhece voz, fala e vê. Todo o projeto foi desenvolvido cá. Rodas, hardware, software, visão, exceto o braço que foi comprado, tudo o resto foi feito pelos nossos alunos?, frisou Fernando Ribeiro.

A evolução do projeto e as novas habilidades que possa vir a ter vão depender da imaginação da equipa e dos feedbacks que lhe vão chegando. ?Há pessoas que vêm aqui ver e dão-nos sugestões para outras capacidades que possamos explorar, umas possíveis, outras não! Neste momento estamos mais baseados nas provas da RoboCup, essas ele tem de as fazer bem. Ainda temos de melhorar muitas coisas, mas temos até julho para o pôr nos trinques?, concluiu o Professor.

Texto: Ana Marques

Foto: Ana Marques

EN
Skip to content