Sasum

PERCURSOS…

Filomena Costa é natural e vive em Braga há 38 anos. Casada, mãe de um casal de 10 e 3 anos, desempenha funções nos Serviços de Ação Social (SASUM) há 14 anos. Atualmente, faz parte do Departamento de Apoio Social (DAS), uma equipa com cerca de 50 trabalhadores. Nesta entrevista, a trabalhadora, adstrita ao Centro Médico, fala-nos do seu percurso de vida e experiência profissional, conta como é vivido o dia a dia, assumindo adorar o faz.

Como chegou aos SASUM e qual o seu percurso académico e profissional?

Fiz a Licenciatura em Enfermagem na Escola Superior de Enfermagem da Universidade do Minho (UMinho) de 2005 a 2009. No final do curso, dediquei-me exclusivamente ao atletismo, por opção minha. Primeiro porque não queria afastar-me da minha residência (local de treino e família), e segundo, em Braga, estava difícil arranjar trabalho na minha área. Decorridos alguns meses, os resultados que obtive não foram os que desejava e comecei a pensar em trabalhar na minha área. Por coincidência, em 2010, surgiu a oportunidade de começar a trabalhar no Centro Médico dos SASUM. Fui informada que iriam abrir um Centro Médico na Universidade e iam contratar três enfermeiras. Fiquei muito feliz por se lembrarem de mim (pelo meu percurso desportivo e académico na UMinho) e muito entusiasmada com o novo projeto. Fui à entrevista e fui posteriormente contactada para começar a trabalhar.

Há quantos anos está nos Serviços e quais são, atualmente, as suas funções?

Comecei a prestar serviço de Enfermagem para os SASUM em outubro de 2010 (5h/dia), e em maio de 2018 assinei um contrato de trabalho. Exerço atualmente funções como Enfermeira (Técnica Superior) no Centro Médico dos SASUM, em Braga.

Gosta do que faz?

Adoro o que faço, gosto da minha intervenção na comunidade académica (com os alunos e trabalhadores docentes e não docentes). É um trabalho gratificante e desafiador. Temos um papel fundamental na promoção da saúde, na promoção do bem-estar físico, mental e social da nossa comunidade. Tento sempre realizar o meu trabalho o melhor que consigo, indo de encontro às necessidades e satisfação dos utentes e do serviço. Sinto-me muito acarinhada na nossa comunidade académica.

O que mais a motiva e quais as maiores dificuldades, no dia a dia, no desenvolvimento do seu trabalho?

Sinto que cresci como pessoa e também como profissional. Sou um “bocado” perfecionista, adapto-me facilmente e tenho um ótimo ambiente de trabalho. Além das intervenções de enfermagem (tratamento de feridas, administração de injetáveis, avaliação de vários parâmetros e outros cuidados de enfermagem), também temos o trabalho administrativo (atendimento ao público, apoio às Consultas disponibilizadas no Centro Médico, …). Gosto de estar próxima dos alunos/utentes, poder ajudar/apoiar no que conseguir, para que sintam/saibam que os vemos como um todo.

As maiores dificuldades que sinto são as situações de cariz financeiro com que lido (ainda temos alguns alunos com dificuldades a nível alimentar), as situações familiares (alterações nos laços familiares), a falta de empatia, sendo a nossa intervenção essencial, em alguns casos.

Como caracteriza o trabalho que é feito no Departamento de Apoio Social, em particular na sua área?

É um trabalho bastante exigente, com muita responsabilidade e fundamental no apoio à comunidade. Requer muita atenção, presença e empatia. Trabalhamos para a promoção da saúde e prevenção da doença, tentamos melhorar a qualidade de vida dos utentes e o seu bem-estar. Intervimos a nível da Educação para a Saúde (importância de uma alimentação saudável e exercício físico regular, tentar levar uma vida saudável, hábitos de sono/repouso adequados e comportamentos apropriados).

Para além das suas funções diárias no centro médico da UMinho, é também atleta/maratonista. O que significa para si o desporto e poder continuar a conciliar o trabalho com a paixão pelo desporto e pelas maratonas?

Quando trabalhava 5h/dia era mais fácil conciliar atletismo e trabalho, agora com 7h/dia requer uma maior organização da minha parte.

O desporto para mim é vida, fazer exercício físico todos os dias é um grande prazer, torna o meu dia a dia mais feliz, com mais energia e sinto-me melhor, mentalmente e fisicamente. O atletismo é muito importante na minha vida, consegui excelentes resultados, fiz amizades e acima de tudo, faz-me ser uma melhor profissional no meu trabalho, consigo gerir melhor o tempo e as prioridades, sou mais ativa/dinâmica, tenho melhor capacidade de lidar com situações novas/inesperadas e consigo transmitir algum conhecimento das minhas experiências.

O que mais destaca no seu percurso desportivo?

Destaco ter conseguido mínimos para os Jogos Olímpicos de 2016 (Rio de Janeiro) na Maratona, ter ganho em 2015 a Maratona de Sevilha (alcançado a minha melhor marca pessoal na maratona 2h28’ no dia do meu 30ºaniversário) e o meu 12.º lugar na Maratona do Mundial de Pista em 2015 (Pequim).

O mais importante e do mais me orgulho, é que sei estar no atletismo, porque para além de ser competitiva, também criei amizades, sou humilde e justa.

Estás a trabalhar para estar nos próximos Jogos Olímpicos?

Não penso nos próximos JO, porque já são em agosto de 2024, mas penso, sim, nos Jogos Olímpicos de 2028. Sei que é muito difícil e tenho de ser realista, a idade avança (terei 43 anos), mas para mim, impossível é o que nunca se tentou. Passei e estou a passar uma fase mais complicada, de lesões e recuperação (o Gonçalo demorou a dormir noites completas) e diminuiu o meu rendimento. Vou continuar a treinar/trabalhar para tentar obter bons resultados, se conseguir ir aos JO seria um sonho tornado realidade. Um sonho adiado, porque os JO 2016 foram-me tirados, foi muito injusto e eu treinei para aquele resultado. Fica na memória o ter conseguido mínimos para uns JO, um momento muito feliz da minha carreira desportiva.

Quais são as melhores e as piores memórias que tem do seu trajeto nos SASUM?

As melhores memórias que guardo são as pessoas que conheci e me marcam/marcaram enquanto pessoa, que me fizeram crescer, aprender e melhorar.

Como olha para o futuro?

Com esperança, otimismo e pensar que melhores dias virão. Temos um papel importante na sociedade e temos de transmitir bons valores, de respeito, educação, interajuda …

Curiosidades

O que a marcou? O nascimento dos meus filhos.

O que ainda não fez? Viagem à Tailândia.

Ainda tem um grande sonho? Sim, estar presente nuns Jogos Olímpicos.

Livro? Isto Acaba Aqui (Colleen Hoover).

Filme? Prometo Amar-te (Michael Sucsy).

Uma música e/ou um músico? Bryan Adams.

O que gosta de fazer nos tempos livres?  Viajar, passear com a família e conviver com os amigos.

Vício? Correr!!!

Um lugar? O Mar.

A Universidade do Minho? É um prazer trabalhar na UMinho!

Texto: Ana Marques

Foto: Nuno Gonçalves

PT
Skip to content